24 de setembro de 2009

SEGREDO REVELADO

"Madrugadas ociosas e sem feijão banhento podem render boas confições"

Vou lhes contar um segredo: nunca comi feijão frio durante a madrugada. Nunca! Sabe, faz tempo que tava entalado na garganta esse desabafo. É salutar falar dos sentimentos. Nos livrarmos de traumas.
Afinal, quem nunca ouviu a frase “eu adoro comer feijão frio com azeite de oliva”? Coisa do Jô Soares. Só podia mesmo ser coisa de gordo. Quem é que come isso, inda mais de madrugada? Hein?
Lembro dos tempos da faculdade quando falar desse “cardápio” era algo chic. A bem da verdade de chic tinha nada, afinal feijão todos tem em casa e azeite de oliva não é algo que custe os olhos da cara de um ciclope.
Meus amigos diziam coisas do tipo “ontem comi um pratão de feijão frio com azeite, muito bom cara” e, eu já emendando a conversa “putz, eu também cara”. Mentira! De madrugada não levantava nem pra ir ao banheiro, quanto mais pra comer uma mistura tipo aqueles pratos de fast food que não há humano que consuma: 300g de feijão frio + toque de azeite de oliva = R$ 13,95 * experimente oliva extra.
Sei que eu mentia sobre haver ‘degustado’ o tão saboroso e nutritivo preparado das madrugadas de Jô Soares. Também sei que amigos meus regulavam o despertador pras 3hs da madrugada só pra levantar e comer um prato de feijão banhento.
Jô Soares inventou a maior de todas as piadas. Maior ainda do que aquele trote de primeiro dia de trabalho quando mandam o boy lavar a fita da máquina, ou quando nos dão aqueles chicletes com recheios ácidos ou que pintam a língua.

Jô Soares inventou a maior piada do Brasil!

João Guilherme

21 de setembro de 2009

OPINIÃO - O confuso caso de São Salvador


O confuso caso de São Salvador

O prefeito de Cascavel, Edgar Bueno, é mais democrático que a lei. A Lei Orgânica Municipal manda eleger diretamente apenas os membros do Conselho Distrital, não o subprefeito. Como não consta que essa norma da Constituição Municipal tenha sido revogada ou refeita, só cabe legalmente ao prefeito enviar ao Conselho Distrital uma lista de cinco nomes que ele mesmo selecionar entre as lideranças da comunidade distrital para que o CD promova a indicação.
No caso de São Salvador, o prefeito foi muito feliz na nomeação do administrador distrital. O agricultor, desportista e poeta Benildo Delai é homem honesto e, tal qual Bueno, desde menino participa das coisas de Cascavel.
Benildo acaba de anunciar a disposição de ingressar no PCB, convencido de que o XIV Congresso do Partidão traz a melhor linha política partidária da atualidade brasileira. E é ali em SS que o prefeito Edgar Bueno decide convocar uma eleição direta para subprefeito (ou administrador distrital), abrindo mão da lista quíntupla e retirando do Conselho o poder, definido pela LOM, de eleger o subprefeito com base em tal lista.
Está semeada a confusão, pois a orientação do PCB é, em princípio, que Delai também concorra a essa eleição, mesmo não havendo qualquer regulamentação, pois, até onde sabemos, não há lei que a estabeleça e concorrer nela é uma coisa tremendamente precária.
Digamos que nessa eleição, convocada unilateralmente pelo prefeito-legislador-juiz, o nosso candidato (podemos defendê-lo fora de campanha porque não há nenhuma regra para a eleição de administrador distrital) Benildo Delai perca, digamos por um voto, como nosso querido Tarqüínio Joslin em 1952. A que instância cabe recurso para recontagem? À própria Prefeitura, ao Conselho Distrital, à Justiça Eleitoral, que não tem lei ou resolução alguma a respeito da promoção desse pleito? Ou ao nosso prezado arcebispo, d. Mauro?
O prefeito, mais democrático que a lei, instituiu por si mesmo o mandato revogatório, pois “algumas pessoas se queixaram” do nosso administrador de São Salvador e ele, impondo a revogação do mandato que ele mesmo outorgou, optou pela mais democrática das decisões: a eleição direta, passando por cima da Lei Orgânica, que atribui ao Conselho Distrital a indicação do subprefeito.
Para o PCB, é a glória: é muito melhor disputar a eleição com um nome já consagrado, pessoa honesta, sincera e participativa, do que a lista quíntupla estabelecida na LOM, da qual só por milagre faríamos parte. A questão é: qual é a base legal para fazer as coisas de modo diferente ao estabelecido na LOM? Se nosso candidato for eleito, qual é o coelho que vão tirar da cartola para derrubá-lo novamente, com eleição e tudo?
Simples: dirão que a eleição não valeu, pois é contra a LOM. E então sairá da manga do colete do rei municipal a famosa lista quíntupla. Da qual, evidentemente, não constará o nome do nosso candidato, Benildo Delai. Se constar, os pauzinhos no Conselho estarão mexidos em favor de alguém que jamais pensou em entrar no PCB. Ao contrário, alguém que obviamente se submeteu aos melindres palacianos.
E os “comunas” nem ousem reclamar, pois a LOM mandou, está lomado e mandado... Em 1973, os fascistas esmigalharam os dedos de Victor Jara e lhe deram um violão: “Canta agora, comuna, canta para eu ouvir!” Tudo bem, a gente canta. Mas não nos decepem as mãos!
....
Alceu A. Sperança – escritor, membro do comitê municipal do PCB de Cascavel
alceusperanca@ig.com.br

19 de setembro de 2009

OPINIÃO - PEC DOS VEREADORES


VEREADOR SUPLENTE OU SUPLENTE DE VEREADOR

A grande dúvida que existe hoje na cabeça dos suplentes de vereadores e dos partidos que não atingiram o quociente eleitoral na última eleição é se a PEC DOS VEREADORES em sendo aprovada em 2º turno, terá efeito imediato? Os vereadores serão diplomados e empossados imediatamente? Existe suplente de vereador ou vereador suplente?
A PEC DOS VEREADORES tem causado grande celeuma entre os suplentes de vereadores de todo o Brasil, e diante disso, tecemos alguns comentários com o objetivo de tentar esclarecer algumas tergiversações que existem sobre o tema.
Primeiro, a Pec em sendo aprovada (com o texto que foi aprovada em 1º turno), entrará em vigor na data de sua promulgação, segundo preceitua o Art. 3.º “in verbis”:- Esta Emenda Constitucional entra em vigor na data de sua promulgação, produzindo efeitos:
I – o disposto no art. 1.º, a partir do processo eleitoral de 2008.(grifo nosso).
“A doutrina ensina que o processo eleitoral consiste num conjunto de atos abrangendo a preparação e a realização das eleições, incluindo a apuração dos votos e a diplomação dos eleitos”.
Observa-se portanto que se a Pec for aprovada em 2º turno com a redação supracitada, deve alterar todo o processo eleitoral de 2008, ou seja, realização de nova eleição, apuração dos votos e consequentemente dos quocientes eleitorais, e entrará em vigor a partir da data de sua promulgação.
Faz-se necessário dizer que a competência para a publicação é do Congresso Nacional, que muito provavelmente “fará a inserção do texto promulgado no diário oficial, para que se torne de conhecimento público a existência da lei, pois é condição de eficácia da lei, como nos ensina o professor Alexandre de Moraes”
Vencida esta questão, faremos uma abordagem na questão suplente de Vereador ou Vereador suplente?
E continuamos invocando a lição do eminente Professor Alexandre de Moraes:
“Os eleitores elegerão, no exercício do direito de sufrágio, por meio do voto(instrumento), por si, sem intermediários, seus representantes e governantes”
(os grifos não constam do original).

Nota-se portanto que não existe a figura do vereador suplente, porém, existe o suplente de vereador, pelo simples fato de que o Suplente de Vereador foi eleito pela população e foi diplomado, diferentemente do Vereador Suplente que é uma figura (fictícia), pois, o mesmo não foi eleito pela vontade popular, ainda que pese os votos recebidos dos eleitores.
Agora veja, digamos que um partido não tenha atingido o quociente eleitoral, e após a publicação da emenda, seja refeito os cálculos, automaticamente aquele partido que não elegera vereador por não ter atingido o quociente eleitoral, poderá figurar no rol de partidos com vereadores eleitos, o que atinge diretamente o resultado das eleições, e seria uma afronta ao ato jurídico perfeito, e claro estaria “elegendo”, vereadores que não foram eleitos, o que é no mínimo inconstitucional, pois, haveria uma antinomia jurídica, ou seja, duas normas constitucionais em conflito, o que caberá ao S.T.F decidir, dizendo se a norma é ou não inconstitucional.
De outra banda, os suplentes de vereadores se elegeram, até porque como dito alhures em seus diplomas consta a informação de “suplente de vereador”, eleitos pela vontade popular, daí a conclusão lógico dedutiva que não alteraria o resultado das eleições.
É evidente que o Supremo Tribunal Federal tem restrições no sentido amplo quanto a mudança no resultado das eleições, destarte, o resultado das eleições não será alterado.
Só para argumentar, depois de todo o processo legislativo, que diga-se de passagem, demorou 5 anos para ser aprovado (se aprovado), os suplentes de vereadores terão que ser empossados, sob pena de colocar em “xeque”, todo o trabalho desenvolvido pelas Casas do Congresso Nacional, pelo simples fato que a matéria foi exaustivamente discutida em ambas as casas, passou por Comissões e por fim, foi aprovada em plenário.
Essa questão está longe de determinar, pois, se empossarem os suplentes de vereadores é evidente que os vereadores suplentes impetrarão mandados de segurança, da mesma forma se refazerem os cálculos, “choverão” ações, entretanto, ousamos a nos posicionar a favor da recomposição das câmaras de vereadores de todo o Brasil, pelos suplentes de vereadores, eleitos com as maiores “sobras”, no caso de terem mais suplentes do que vagas, e ainda assim alguém poderia perguntar: e nos municípios que não foram eleitos suplentes suficientes para assumir as vagas remanescentes:? Bom, isso já é tema para outra discussão.

Anderson Fagundes -Acadêmico de Direito - fagundes.anderson@hotmail.com

16 de setembro de 2009

MENIN NA TV DO PPS

BANHO DE MÍDIA

Ninguém deve ter entendido muito bem o porquê daquelas trocas rápidas de partido do Chico Menin. Depois da esplendida votação no PR para prefeito, deixou a sigla após travar brigou com o deputado Fernando Giacobo e com a Inês de Paula. Fez um pouso forçado no promissor PMN, mas acabou mudando de rumo após intervenção nacional na sigla, acompanhando o ex-presidente estadual Willi Taguchi e ambos foram parar no PPS de Rubens Bueno. Esta semana parte do mistério em torno do troca-troca de siglas começou a ser desvendado. A mudança fez muito bem para imagem do Menin que, entre outras coisas, ganhou um belo banho de mídia.

NA TV

Menin deve aparecer nos próximos dias pelo menos 114 vezes nas TVs da região em horários diversos. Por exemplo, no último capitulo da novela da “Maya” (Caminho das Índias), lá estava o Menin vendendo seu peixe. Apareceu pelo menos quatro vezes na Globo. Para quem, sem estrutura nenhuma saltou de paupérrimos 3% das intenções de voto na eleição de 2008 para fazer mais de 25 mil votos (quase 20%), a participação no programa eleitoral do PPS é um excelente negócio. Um show de aparições que deve impulsionar positivamente a pré-candidatura de Menin a deputado estadual pela sigla.

14 de setembro de 2009

GAMBIARRAS

Quem nunca fez uma gambiarra que atire a primeira pedra ou faça outro arranjo-tecnológico. Que coisa mais esdrúxula chamar estas intervenções alternativas, verdadeiros arranjos-tecnológicos que denodam a alta capacidade de construir artefatos, usando a improvisação na apurada técnica aqui flagrada pelo blog de re-apropriação material. Observem a capacidade de adaptação, ajuste, transformação ou de adequação necessária para o uso do material que estiver disponível (ou mais a mão) para solução de uma necessidade emergente ou especifica. Podemos compreender ‘gambiarra’ (arranjo-tecnológico) como um raciocínio projetivo imediato, determinado pela circunstância momentânea; Ou seja, é isto aqui!

























12 de setembro de 2009

O MUNDO SE TRANSFORMA PELA INTERNET


A revolução mais rápida e desconcertante que o mundo já viu está sendo promovida pela Internet. Nada, desde o aparecimento de nossa civilização, causou efeitos tão profundos na existência do homem quanto a web. Desde cirurgias via satélite, passando por grandes máquinas e robôs operados por softwares, telefone, educação à distância, tudo através da web, o mundo em sua casa, e de graça, até chegar ao desmoronamento dos grandes impérios da comunicação social, nada na história do homem causou tanto impacto e mudou tanto o seu comportamento.Para entender esse novo mundo e para onde ele caminha dois livros são fundamentais.Um é A Cauda Longa, do jornalista americano Crhis Anderson, (Editora Campus), e o outro, Cultura da Convergência, de HenrryJenkins, (Editora Aleph). No primeiro, encontramos a abordagem segura e catalisadora das mudanças ocasionadas em todos os aspectos do “modus vivendi” da sociedade americana, especialmente nas áreas comercial, industrial e de entretenimento. Sob esse novo angulo, prospecção comercial, investimentos em novos negócios, direcionamento para os já existentes e expansão são analisados com profundidade e sabedoria. Seja lá qual for o negócio, é necessário estar atento e informado para qual direção navega o cometa chamado Internet. Cometa por agora, pois na velocidade em que se desenvolve logo será maior que o sistema solar, do tamanho do universo depois.Em Cauda Longa podemos ter uma boa idéia de como naufragou a poderosa indústria do disco e do CD e ainda vislumbrar o tamanho da bomba que vai explodir nos meios de comunicação social.Já em Cultura da Convergência a abordagem evolui através de estudos e pesquisas de onde o autor tira conclusões e emite julgamentos sobre o futuro dos meios de comunicação social, particularmente a televisão.Independente da opinião sobre o futuro, o livro se torna mais interessante com a descoberta de onde a equipe do Presidente Obamafoi buscar as idéias que irrigou a sua fabulosa campanha com destino a Casa Branca. Será possível entender também o porquê do fenômeno de vendas da série Harry Potter e como a Internet se torna uma linha auxiliar para que as novas gerações leiam mais, jogando por terra o mito de que quem está na net não lê. E mostra também como se deu a rendição dos grandes estúdios de Hollywood, incomodados com a questão do direito autoral, mas impotentes para uma reação diante dos milhões de internautas desejosos por criar e se divertir em cima de obras cujos direitos não permitiam o acesso gratuito. O livro mostra como os titãs se renderam.É fascinante.A conclusão após a leitura dessas duas obras fica ao gosto de cada um. É necessário estar plugado nas novas ferramentas de comunicação para entender os caminhos a serem trilhados pelo modelo de tv e jornal que conhecemos hoje. O Bill Gattes, dono da Microsoft, já disse que a TV acaba em 10 anos. Rudolph Murdoch, o maior empresário do mundo na área de notícias, também disse que o jornal impresso deixa de existir nos próximos 10 anos. Eles devem saber o que estão afirmando. O americano Warren Buffet, homem mais rico do mundo, é dono de um pequeno jornal em Búfalo, cidade no meio oeste americano, e também de uma pequena participação acionária no jornal Washington Post. Não tem muitos anos que ele entrou neste ramo de negócio. Um repórter lhe perguntou, recentemente, se ele pretendia aprofundar a experiência com mais compras no setor. Firme na resposta descartou:- Não, se fosse hoje eu não teria feito esse negócio. Não investiria um tostão.Sendo quem é Buffet, todo empresário da área de comunicação deve estar atento ao seu negócio e com as barbas de molho.Aqui no Brasil, com as informações disponíveis no mercado, ainda não dá para fazer uma radiografia do futuro e analisar com segurança o presente. Sabe-se que o rádio já não é o mesmo, a TV perde audiência significativamente e a mídia impressa perde circulação vertiginosamente. Uma coisa é certa: nenhum deles será o mesmo nos próximos cinco anos. Em dez anos nem a sombra do que são hoje existirá.Por aqui, entre nós, ainda é tímido o efeito da web nos meios de comunicação. Tímido, mas constante e abrangente. Enquanto isso, a grade jornalística e a apresentação dos telejornais nas TVs seguem como se nada estivesse acontecendo no seu universo. O diferencial é chamar para o portal, mas estes são desinteressantes. As TVs passam o dia a chamar o telespectador para logo mais, no jornal das sete ou das oito. Ora, tudo já está na Internet, desde a madrugada anterior. A TV envelheceu, quem diria…

CRÉDITO - Texto de Hildeberto Aleluia.

PREFEITURA REALIZA LEILÃO ON LINE E PRESENCIAL


A Prefeitura de Cascavel abriu leilão público oficial on-line e presencial para a venda de veículos, caminhões, ônibus, mobiliário, equipamentos de informática, entre outros. Os lances para os 127 lotes já começaram pela internet, assim como a disponibilização do edital do leilão. A empresa organizadora permite o recebimento de lances tanto virtuais como presenciais simultaneamente em tempo real. O leilão presencial irá acontecer no dia 22 de setembro, a partir das 9h, no Auditório da Prefeitura.
De acordo com o presidente da comissão de organização, Delso José Trentin, a avaliação mínima de todos os lotes está em R$ 326.400,00. “Com o leilão, esperamos dobrar esse valor de arremate. Após a finalização dos processos, o dinheiro arrecadado voltará para as secretarias que cederam os bens, assim cada setor poderá aplicar os valores em novas aquisições”, explica.
Os interessados em comprar devem estar com o CPF/CNPJ em situação regular junto a Receita Federal (RF), bem com o endereço atualizado ou em processo de atualização na RF e no Sintegra (Sistema Integrado de Informações sobre Operações Interestaduais com Mercadorias e Serviços). Dos 127 lotes, 88 são veículos como caminhões, carros de passeio, ônibus e máquinas pesadas. Caso não sejam arrematados, voltam para as secretarias de origem.
Os arrematantes que estiverem presentes no leilão físico devem entregar, no ato da arrematação, um cheque caução no valor de 20% do lance ofertado. O valor integral do bem arrematado deve ser depositado no prazo de até três dias, após o encerramento do leilão. Além disso, é necessário ao comprador pagar um valor de 10% sobre o preço do bem adquirido. “Dessa porcentagem, 3% será destinado ao Provopar e 7% a empresa que realiza o evento”, esclarece o servidor Henrique Wichoski Koupaka, da Divisão de Compras, designado para conduzir o leilão. Mais informações pelo telefone: (45) 3321-2271, com Henrique Wichoski Koupaka.

VISITAÇÃO


Os lotes estarão disponíveis para serem examinados e vistoriados no período de 16 a 21 de setembro, das 8h às 12h e das 13h30 às 17h30. Os lotes de 01 a 14 e 29 encontram-se à disposição na Oficina de Carteiras, localizada na Rua Leila Diniz, 551, bairro Alto Alegre. Os lotes de 15 a 28 e 30 a 32 estão no Pavilhão Agropecuário do Parque de Exposição Celso Garcia Cid, na BR 277, Km 597. Os lotes de 33 a 125 e 127 estão à disposição para vistoria no Pátio de Máquinas do Município de Cascavel, localizado na Avenida Tancredo Neves, 2259, junto a Secretaria de Obras. O lote 126 está na Pedreira Municipal, situada na Rua do Trevo, s/n.